.mais sobre mim

Envia-me um e-mail

.pesquisar

 

.posts recentes

. Garrano

. Urso pardo

. Hamster

. O coelho

. Os Golfinhos

. Carta ao Verdinho - Escol...

. PATO-REAL

. A LONTRA

. O GANSO

. Melro-metálico

.arquivos

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.tags

. todas as tags

.links

.subscrever feeds

|ESPAÇO CRIANÇA| |DICAS VERDES| |DIAS AMBIENTAIS| |ANIMAIS|

|PLANTAS| |AMBIENTE| |HISTÓRIAS E JOGOS| |SONDAGENS|
Terça-feira, 8 de Junho de 2010

B.I. do Caboz-de-água-doce

 

Nome comum: Caboz-de-água-doce, Marachomba-de-água-doce, Blénio-de-água-doce.

 

Nome científico: Salaria fluviatilis (Asso, 1801)

 

Hábitos e Habitat: O caboz-de-água-doce é uma das espécies dulciaquícolas de uma grande família – Blenniidae - composta maioritariamente por espécies marinhas. Esta espécie prefere cursos de água doce bem oxigenados, de regime lêntico ou lótico, com substrato pedregoso, com cascalho e areão. O modo de vida desta espécie bentónica está intimamente associado ao substrato, pois é nas rochas, cascalho e areão que realizam as suas posturas. Entre Abril e Julho, o macho torna-se ainda mais territorial, e desenvolve uma crista cefálica proeminente. De seguida, procede à escolha de um local adequado para as posturas de várias fêmeas – 300 a 800 ovos por fêmea - como uma pedra ou uma cavidade no substrato, e começa a cortejar as fêmeas. Após as posturas por parte das fêmeas, é o macho que fecunda os ovos, vigia o ninho, que o limpa, defende e cuida dos ovos, podendo mesmo deixar de se alimentar até os ovos eclodirem passados cerca de 15 dias. As pequenas larvas de caboz-de-água-doce continuam a beneficiar da protecção indirecta do macho, enquanto estiverem no seu território. As larvas e juvenis desta espécie são carnívoras e possuem hábitos gregários, procurando refúgio e larvas de insectos e crustáceos, em aglomerados de algas dulciaquícolas como as Chara sp. e Nitella sp. Os adultos são mais solitários e de comportamento vívido, alimentando-se de insectos e suas larvas, pequenos crustáceos e alevins de peixes. O caboz-de-água-doce possui uma longevidade de cerca de 4 anos, e a sua sobrevivência encontra-se ameaçada pela destruição do habitat natural, poluição e regulação dos sistemas hídricos.

 

Ana Caramujo Marcelino Canas

Bióloga Marinha do Fluviário de Mora

 

Educação – Falas do Rio

Fluviário de Mora

www.fluviariomora.pt 

 

Webgrafia consultada

http://www.educared.net/concurso2008/1276/fauna_archivos/pezfraile.htm

http://www.aquabase.org/fish/view.php3?id=958

http://www.mediterranea.org/cae/divulgac/peces/fraile.htm

http://www.fluviatilis.com/dgf/species.cfm?codspecies=sflu

http://www.fishbase.org/Summary/speciesSummary.php?ID=4877&genusname=Salaria&speciesname=fluviatilis&lang=Portuguese

 

 

Agradecemos ao Flúviário de Mora e à Dra. Ana Canas pelos textos que nos enviam todos os meses. Obrigado!

tags:
publicado por verdinho_naturezabrincalhona às 17:32
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres